Guilherme

 

Olá pessoal aí está mais um post!

O fato que vou contar ocorreu no ano de (2010), o que serviu para me provar que mesmo em tempos atuais, fenômenos sem explicação também podem acontecer.

Há 2 anos moro com minha esposa numa casa que antes tinha sido de sua falecida avó. Reformamos, pintamos, deixamos ela bonita, e perfeitamente habitável apesar de ser uma casa bem antiga.

Até o dia do fato ocorrido, apenas alguns barulhos vindos da cozinha era o que eu tinha pra mim como inexplicável, porém isso mudaria bruscamente.

Como eu e minha esposa saímos muito cedo para trabalhar, não dá tempo de fazer algumas coisas, arrumar a cama é uma delas, tanto que sempre que voltamos para a casa disputamos no par ou ímpar para ver que é que vai arrumá-la.

Um dia chegamos em casa, cansados pelo dia de trabalho, apostamos como sempre e eu fui o vencedor. Minha esposa se dirigiu para o quarto enquanto eu ia entrando no banheiro para tomar banho.
De repente ela me chama assustada lá do quarto, e ao chegar lá eu gelei ao ver a cama perfeitamente arrumada de um jeito particular com os travesseiros sobre a colcha e o cobertor dobrado nos pés da cama. Nunca havíamos arrumado a cama daquele jeito.
Ficamos parados olhando um para a cara do outro. Ninguém tinha acesso ao interior de nossa casa, ninguém arrumou a cama antes de sair, que explicação teria isso!

Depois de algumas horas, minha sogra chegou do trabalho e como mora próximo a nós, passou em casa para dar um “oi”. Contamos a ela o que aconteceu e ela pediu para ver como a cama estava arrumada.
Fomos até o quarto e pude observar no momento em que ela olhava para a cama a expressão de medo em seu olhar. Com a voz trêmula, ela nos disse, ainda olhando para a cama, que sua mãe, a falecida avó de minha esposa, antiga moradora da casa arrumava sua cama daquela mesma forma.

Como o fato foi recente, ainda estou tentando entender, digerir o que aconteceu, mas confesso não achar explicação alguma que não seja sobrenatural. Hoje em dia, quando chego em casa com minha esposa ambos corremos para o quarto, mas a cama nunca mais apareceu arrumada como naquele dia estranho.