Felipe

Oi , gente tudo blz ?

hai vai mais um poste !!

 O Códice* Giga, também conhecido como a “Bíblia do Diabo”, é o maior livro do mundo. Feito a partir do 13º século em um mosteiro Boêmio, foi considerado uma das obras de arte mais estimadas do país. Nos tempos medievais, a sua singularidade foi até posta em uma paridade com as maravilhas do mundo […]
[…] Por que, como e por quem a Bíblia do Diabo foi escrita permanece um mistério até os dias atuais. Diz a lenda que o livro teria sido escrito por um monge, que temendo ser emparedado vivo por romper um código monástico, teria prometido criar o maior manuscrito do mundo em apenas uma noite em troca de sua pena. Mas quando ele percebeu que não seria capaz de cumprir com a sua promessa, ele teria pedido ajuda ao diabo e a sua oração foi atendida. […] [Link]
*Registro ou compilação de manuscritos, documentos históricos, ou leis; código antigo

CÓDICE

Livro manuscrito organizado em cadernos cosidos ao longo da dobra e protegidos por uma encadernação (codex). Esta forma de livro sucedeu à do rolo (volumen) e começou a ser adoptada em Roma no século I da era cristã. A partir do século XV o livro manuscrito foi gradualmente rendido pelo livro impresso, sobrevivendo mais alguns séculos como veículo de textos de circulação restrita (a literatura clandestina, por exemplo) ou de carácter provisório (versões manuscritas de textos a imprimir).

O códice diz-se membranáceo quando os fólios são em pergaminho, se bem que até ao século V tenha havido códices de papiro e, depois do século XII, códices em papel. Na elaboração de um códice intervinham um ou mais copistas e um encadernador, para além de poderem estar envolvidos outros especialistas (um rubricador, um iluminista, um revisor), ligados todos eles a centros de produção codicológica: mosteiros e, a partir de finais do século XII, também a universidade. O material indispensável para a fabricação do códice envolvia instrumentos de regramento, escrita, decoração e encadernação (como o estilete, o compasso, a régua, a férula, a pluma, o cálamo, o pincel) bem como as correspondentes matérias-primas (giz, plumbagina, tinta, pigmento, cola, resina, nervo de boi, pele, madeira, metal). Sobre a superfície do suporte era distribuída, geralmente a duas colunas, a mancha gráfica, obedecendo este trabalho de empaginação a normas destinadas a manter uma proporção geométrica entre largura e altura, margens, intercolúnio e linhas do texto. Estas proporções tornam-se tradicionais e passam a fazer parte da expectativa do leitor, de modo que a imprensa começará por respeitá-las nos incunábulos e tardará em introduzir uma proposta alternativa de empaginação.

Anúncios